Câncer e Prevenção

Câncer e Prevenção

O que é câncer?

Quando as células do corpo humano, que deveriam trabalhar de forma organizada e exercer funções benéficas ao organismo, sofrem algum tipo de alteração no DNA e passam a multiplicar-se de forma desordenada, invadindo tecidos e órgãos, e resultando na formação de tumores malignos, recebem o nome de câncer (também conhecido por neoplasia maligna). 

Quando esses tumores começam na pele ou mucosas (tecidos epiteliais), são denominados carcinomas. Inicio nos ossos, músculo ou cartilagem (tecidos conjuntivos), são chamados sarcomas. Cânceres que envolvem o sangue, não formam tumores, mas podem infiltrar os tecidos diretamente. Quando esses tumores se soltam dos tecidos e migram para outras partes do corpo, por meio da circulação sanguínea ou sistema linfático (rede de vasos semelhantes às veias que se distribuem por todo o corpo), atingindo outros órgãos, denomina-se metástase.    


*Atenção

Nem todo tumor é câncer! 

Tumor é caracterizado pelo aumento no volume de alguma parte do corpo. Quando o tumor acontece pelo crescimento celular anormal de células, é chamado de neoplasia, mas nem sempre esse tumor (neoplasia) é um câncer. As neoplasias podem ser classificadas em dois tipos: neoplasias benignas e neoplasias malignas (câncer). 

Tumor/neoplasia benigna: As células se multiplicam de forma mais lenta e menos agressiva, não sendo capaz de invadir tecidos e órgãos ou causar metástases. Na maioria dos casos, a retirada total do tumor através de cirurgia promove a cura do paciente. 

Tumor/neoplasia maligna: As células do corpo sofrem algum tipo de alteração no DNA e passam a multiplicar-se de forma rápida, agressiva e desordenada, sendo capaz de invadir tecidos e órgãos e, em alguns casos, metástase, quando se espalha para outras partes do corpo.  


Como surge o câncer?

O surgimento do câncer, ou seja, a multiplicação desordenada e agressiva das células, não acontece por uma causa única, mas por várias causas internas (mutações, hormônios e condições imunológicas) e/ou externas (fatores presentes no ambiente, hábitos, costumes e qualidade de vida). Segundo o Instituto Nacional de Câncer (INCA), a maioria dos casos de câncer, entre 80% a 90% dos casos, estão relacionados a causas externas – estilo de vida da própria pessoa, exposição aos fatores de risco para a doença, como tabagismo, hábitos alimentares, alcoolismo, hábitos sexuais e exposição excessiva a radiação solar. 

As causas internas, em sua maioria, são geneticamente pré-determinadas e estão ligadas à defesa do organismo contra agressões externas. São raros os casos de cânceres que se devem exclusivamente a fatores hereditários (menos de 10%). Segundo o INCA, um exemplo são os casos de pacientes com retinobastoma, câncer que afeta os olhos na infância, 10% dos casos, apresentam história familiar deste tumor.


Diagnóstico precoce do câncer

O diagnóstico precoce do câncer se dá por identificar os sinais e sintomas iniciais da doença. Descobrir o câncer no inicio proporciona ao paciente uma maior chance de cura, aumenta a sobrevida e a qualidade de vida, já que possibilita a intervenção antes do desenvolvimento da neoplasia e da necessidade de um tratamento mais invasivo, além de ser realizada em menor tempo. A melhor maneira de garantir o diagnóstico na fase inicial é investir nos exames chamados de rastreamento, indicados pelo médico de acordo com a idade e necessidade do paciente. Entre eles, mamografia, papanicolau, exame de sangue PSA e toque retal, endoscopia, colonoscopia, exames laboratoriais, entre outros. 

A doença em estágio avançado resulta na menor possibilidade de cura e da necessidade de uma abordagem mais invasiva. Na maioria dos casos se faz necessário a combinação de mais de uma modalidade de tratamento, como cirurgia, quimioterapia e radioterapia.  


Sinais e sintomas

Os sinais do câncer, na maioria dos casos, estão diretamente ligados ao tipo de tumor e o órgão afetado. Em outros casos, alguns cânceres podem ser assintomáticos (não apresentarem sintomas) até que a doença esteja avançada. Entre os sintomas mais comuns, pode-se destacar:

  • Pintas com bordas irregulares
  • Feridas que não cicatrizam
  • Anemia ou infecções frequentes
  • Sangue nas fezes ou secreções
  • Dor sem motivo
  • Fadiga
  • Perda de peso sem motivo
  • Nódulos ou inchaço
  • Convulsões

Como prevenir o aparecimento do câncer 

A prevenção primária para o câncer está em evitar os principais fatores de risco para a doença. Não fumar, utilizar protetor solar, manter uma alimentação saudável, evitar o excesso de álcool, vacinar-se, fazer os exames regularmente e praticar atividade física são alguns fatores que contribuem para reduzir as chances de uma pessoa ter a doença. Adotar um estilo de vida saudável evitando a exposição a fatores de risco é a principal maneira de se prevenir contra o câncer. Com base num levantamento de dados do Center for DiseasesControlandPrevention (CDC), dos Estados Unidos, excluindo-se os cânceres de pele não melanoma, 42% dos tumores malignos e 45% das mortes por câncer foram atribuídos a fatores evitáveis (cigarro, excesso de peso e álcool são as três principais causas).

Infecções persistentes ocasionadas por alguns tipos do Papilomavírus Humano (HPV), transmitidas no ato sexual, estão diretamente ligados aos cânceres de colo do útero, vulva, pênis, uretra, boca, garganta e amígdalas. Como o contágio pode ocorrer mesmo na ausência de penetração vaginal ou anal, a vacinação é a maneira mais eficiente de prevenção. A vacina é oferecida pelo SUS e é indicada para meninas, entre 09 e 14 anos, e meninos, entre 11 e 14 anos, antes do início da vida sexual. Outros fatores de risco são: o início precoce da atividade sexual e o tabagismo. 

Excesso de peso corporal e alimentação não saudável (ou seja, pobre em frutas, vegetais e outros alimentos que contenham fibras, além da ingestão excessiva de carnes vermelhas e processadas - salsicha, mortadela, linguiça, entre outros), estão entre os principais fatores de risco para o câncer colorretal (intestino, cólon e reto).

Além de estar relacionado com mais de 50 tipos de doenças, o tabagismo está relacionado com o câncer de pulmão, laringe, faringe, esôfago, estômago, pâncreas, fígado, rim, bexiga, leucemia, mama, entre outros. Não só no Carnaval, mas em todas as épocas do ano, o cigarro é um mal que prejudica não só quem fuma, mas todos a sua volta.


Confira dicas do Ministério da Saúde para prevenir o câncer:

  • Não fume! 
    Essa é a regra mais importante para prevenir o câncer, principalmente os de pulmão, cavidade oral, laringe, faringe e esôfago. Ao fumar, são liberadas no ambiente mais de 4.700 substâncias tóxicas e cancerígenas que são inaladas por fumantes e não fumantes. Parar de fumar e de poluir o ambiente é fundamental para a prevenção do câncer. 

  • Alimentação saudável protege contra o câncer
    A alimentação deve ser variada, equilibrada, saborosa, respeitar a cultura e proporcionar prazer e saúde. Frutas, legumes, verduras, cereais integrais e feijões são os principais alimentos protetores. Comer esses alimentos diariamente pode evitar o desenvolvimento de câncer.

  • Mantenha o peso corporal adequado
    Estar acima do peso aumenta as chances de desenvolver câncer. Por isso, é importante controlar o peso por meio de uma boa alimentação e manter-se ativo. Cerca de um terço de todos os casos de câncer podem ser evitados com alimentação saudável, manutenção de peso corporal adequado e exercícios físicos. 

  • Pratique atividades físicas diariamente
    A atividade física consiste na iniciativa de se movimentar, de acordo com a rotina de cada um. Você pode, por exemplo, caminhar, dançar, trocar o elevador pelas escadas, levar o cachorro para passear, cuidar da casa ou do jardim.

  • Amamente
    O aleitamento materno é a primeira alimentação saudável. A amamentação exclusiva até os seis meses de vida protege as mães contra o câncer de mama e as crianças contra a obesidade infantil. A partir de então, deve-se complementar a amamentação com outros alimentos saudáveis até os dois anos ou mais.

  • Mulheres entre 25 e 64 anos devem fazer um exame preventivo ginecológico a cada três anos
    As alterações das células do útero são descobertas facilmente no exame preventivo (conhecido também como Papanicolaou), e são curáveis na quase totalidade dos casos. Por isso, é importante a realização periódica deste exame. Tão importante quanto fazer o exame é saber o resultado e seguir as orientações médicas. 

  • Evite a ingestão de bebidas alcoólicas
    Seu consumo, em qualquer quantidade, contribui para o risco de desenvolver câncer. Além disso, combinar bebidas alcoólicas com o tabaco aumenta a possibilidade do surgimento da doença.

  • Evite a exposição ao sol entre 10h e 16h, e use sempre proteção adequada, como chapéu, barraca e protetor solar, inclusive nos lábios
    Se for inevitável a exposição ao sol durante a jornada de trabalho, use chapéu de aba larga, camisa de manga longa e calça comprida.

  • Vacine contra o HPV as meninas de 9 a 14 anos e os meninos de 11 a 14 anos
    O Ministério da Saúde implementou no calendário vacinal, desde 2014, a vacina contra o HPV para meninas de 9 a 13 anos. A vacinação e o exame preventivo (Papanicolaou) se complementam como ações de prevenção do câncer do colo do útero. Mesmo as mulheres vacinadas, quando chegarem aos 25 anos, deverão fazer um exame preventivo a cada três anos, pois a vacina não protege contra todos os subtipos do HPV.

*informação extraída no dia 28 de janeiro de 2020