Câncer de Pulmão: HCP chama atenção para os riscos à saúde causados pelo tabagismo - HCP - Hospital de Câncer de Pernambuco

Câncer de Pulmão: HCP chama atenção para os riscos à saúde causados pelo tabagismo

Gostou? Compartilhe com seus amigos.

junhobranco.jpg

O câncer de pulmão é o segundo mais comum em homens e mulheres no Brasil. Em alerta à doença, o HCP lança a campanha “Junho Branco” em combate ao câncer de pulmão

O tabagismo é uma doença, caracterizada pela dependência de nicotina, e tem relação com diversos males, dentre eles vários tipos de câncer, como o de pulmão, laringe, faringe, esôfago, estômago, pâncreas, fígado, rim, bexiga, colo de útero e leucemia. Segundo o Instituto Nacional de Câncer (INCA), 428 pessoas morrem por dia no Brasil por causa do tabagismo, representando cerca de 13% do total de mortes que acontecem no país. Das mortes anuais causadas pelo uso do tabaco, 23.762 são de câncer de pulmão e, 26.651 por outros tipos de cânceres. Com o objetivo de fazer esse alerta sobre o tabagismo e conscientizar sobre a importância do diagnóstico precoce do câncer de pulmão, o Hospital de Câncer de Pernambuco (HCP) entra na campanha “Junho Branco” – de combate à doença. 

Câncer de pulmão é o surgimento de uma lesão pulmonar decorrente do desarranjo dos mecanismos de morte celular programada, fazendo com que aconteça o crescimento e a duplicação desenfreada dessas células com defeitos genéticos, levando a formação de um tumor. Além do tabagismo, causa mais comum desse câncer (90%), outros fatores podem desencadear a doença, como a inalação de poeira e agentes químicos, o fumo passivo (inalação da fumaça de derivados do tabaco), entre outros. Segundo o INCA, o câncer de pulmão é o segundo mais comum em homens e o quarto mais comum em mulheres no Brasil (sem contar o câncer de pele não melanoma); No mundo, é o primeiro em mortalidade desde 1985. 

“Os sintomas são variados e dependem da localização e do estágio da doença. A tosse é o mais comum, podendo apresentar raias de sangue na expectoração. Pode haver dor torácica, falta de ar, chiados no peito e rouquidão. A perda de peso e baqueteamento digital (inchaço na ponta dos dedos e deformação na unha) também surgem em estágios mais avançados da doença”, explica dr. Bernardo Nicola, cirurgião torácico do HCP. Os sintomas geralmente são mais frequentes no estágio avançado, onde em alguns casos já se espalhou para outros órgãos (metástase). Os sintomas também são comuns em diversos problemas de saúde associados ao pulmão, o que dificulta o diagnóstico precoce e diminui consideravelmente as chances de cura.  Apenas 16% dos cânceres são diagnosticados em estágio inicial (câncer localizado), para o qual a taxa de sobrevida de cinco anos é de 56% - dados INCA.

O diagnóstico da doença é feito através da biopsia, após suspeita levantada por exames como o raio-X do tórax e a tomografia computadorizada. “O tratamento para o câncer de pulmão está relacionado com o seu estágio e as condições do paciente, podendo ser tratado com quimioterapia, radioterapia e/ou cirurgia, nessa última, onde ocorre a retirada do tumor e dos linfonodos próximos ao pulmão”, destaca Dr. Rodrigo Pinto, médico oncologista clínico e gerente médico do HCP. Segundo o INCA, cerca de 20% dos casos são passiveis de tratamento cirúrgico. Porém, na grande maioria (80-90% dos casos), a cirurgia não é possível na ocasião do diagnóstico, devido a descoberta tardia e o estágio avançado da doença. “A melhor prevenção continua sendo evitar o uso de derivados do tabaco”, destaca dr. Rodrigo Pinto.